O Homem de Aço (Zack Snyder, 2013)


                                                                        TRAILER:


Direção: Zack Snyder
Roteiro: Christopher Nolan, David S. Goyer
País: EUA
Gênero: Ação, Aventura, Fantasia

Sinopse: O novo filme do Homem de Aço adapta o personagem para as novas tecnologias disponíveis para o mainstream do cinema no contexto de destruições épicas e filmes catástrofes.

Análise:

O novo filme do Homem de Aço adapta o personagem para as novas tecnologias disponíveis para o mainstream do cinema no contexto de destruições épicas e filmes catástrofes.

Neste novo filme do Superman, o primeiro sem Christopher Reeve, se é que me entendem. Trás o personagem para uma nova forma de se usar o CGI no cinema que impressiona mas também ilude e camufla um roteiro pífio e cheio de clichês. Este é um filme recheado de explosões e lutas épicas entre seres que se equivalem a deuses gregos.

Christopher Nolan e David S. Goyer concebem um roteiro voltado para o lado alienígena do personagem, toda a filosofia bastante cultuada que permeia o complexo universo do Superman é deixada de lado assim como a fantasia que ele veste do fraco e desengonçado ''redneck'' Clark Kent para se igualar aos seres humanos, uma metáfora muito bem explorada por Mario Puzzo no filme ''Superman'' de 1978. David S. Goyer tenta criar uma áurea mais sombria ao mundo do homem de aço, algo que não combina com o personagem, na tentativa de trazer o personagem para os dias atuais o roteirista acaba cometendo uma gafe que só não se transforma em algo pérfido porque o cineasta Zack Snider comanda o filme com maestria e o ator Henry Cavill, apesar da falta de carisma, está perfeito como Superman, até porque em nenhum momento do filme ele é o Clark Kent que conhecemos.

O filme é muito bem dirigido mas esta é uma película feita para a geração Michael Bay e não para a geração de todas as épocas que cresceram lendo os quadrinhos do Superman, da qual eu faço parte, eu me impressionei com a adaptação física do personagem e nada mais. O que mais me deixou desconcertado assistindo a este filme foi a analogia ao cristianismo, onde o Superman aparece para a humanidade aos 33 anos e como o salvador do planeta Terra. O personagem é tratado nos quadrinhos como a um Deus? Sim, mas não ao Deus bíblico dos judeus e muito menos a Jesus Cristo, mas aos deuses gregos e romanos. Jerry Siegel e Joe Shuster criaram o Superman em 1938 na primeira edição da revista Action Comics baseando-se em Hércules, eles queriam dar ao povo norte-americano que estavam em sua grande maioria assolados pela a grande depressão econômica algum personagem humano capaz de realizar grandes feitos, um semi-deus que não se deixava enfraquecer perante grandes desastres e tragédias, um exemplo a ser seguido. Esta analogia à Jesus Cristo é uma desonestidade intelectual, é um crime, é um sensacionalismo barato visando o clamor popular, os produtores do filme quiseram se aproveitar da visão deturpada de Jesus Cristo que as igrejas transmitem para os jovens hoje em dia, uma visão de que ele era um super-herói, um ícone da cultura pop, um verdadeiro Superman. O mito de que Superman foi criado inspirando-se em Jesus Cristo foi inventado por extremistas cristãos por causa da popularidade das histórias em quadrinhos em sua era de ouro. Superman era mais popular que Jesus Cristo entre os jovens daquela época. Este filme carece de termos canônicos essenciais na cultura do homem de aço.

A chance de se adaptar as geniais Graphics Novels contemporâneas do personagem como Superman: Origem Secreta, Superman: Grandes Astros e Superman: O Que Aconteceu ao Homem de Aço? e as minisséries Superman: O Homem de Aço e Superman: O Legado das Estrelas foi desperdiçada, não entendo porque os grandes estúdios tem receio em adaptar estórias mais complexas de filmes baseados em quadrinhos, acho que é porque eles subestimam seu público. Este filme se parece bastante com a mediana Graphic Novel Superman: Earth One.

O vilão do filme é o general Zod interpretado por Michael Shannon, este personagem aparece no começo do filme de 1978 onde Jor-El interpretado por Marlon Brando o manda para a zona fantasma, uma prisão eterna e sádica, e reaparece na continuação de 1980, este filme de Zack Snider faz várias menções ao filme ''Superman II - A Aventura Continua'' de 1980. A trilha sonora criada por Hans Zimmer está impecável.

Não há mais o que escrever sobre este filme até porque ele carece de elementos interessantes que possam ser interpretados num contexto coerente, eu não entendo nada de efeitos em CGI, então. O filme é bom como entretenimento, melhor do que muitos filmes sobre super-heróis feitos recentemente, mas não há alma e caráter, a pedra fundamental não foi colocada e a essência primordial dos quadrinhos do Homem de Aço foi pervertida e substituída pela luta do messias que é cidadão dos EUA e defensor de seus interesses, contra os impiedosos inimigos igualmente poderosos mas que não possuem o espírito de heroísmo e resistência que os estadunidenses pseudopatrióticos adoram glorificar. Este filme é uma lástima bastante divertida.

Share on Google Plus

About leandro godoy

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário