Os 10 Melhores Filmes Baseados em quadrinhos - Segunda Parte



Confira a primeira parte aqui:


Os filmes baseados em quadrinhos é o mais novo fenômeno da cultura pop, não é de hoje que estas adaptações cinematográficas são realizadas e à tempos a nona arte vem despertando a imaginação de cineastas e roteiristas. Estas adaptações hoje em dia se transformaram em grandes investimentos que na maioria das vezes são astronômicos. Esta pequena lista, é o que para mim, representa o melhor que já foi feito neste formato no cinema.

Adaptar estórias em quadrinhos para o cinema não é uma tarefa fácil, apesar de que a forma de se contar estórias na sétima arte não é tão diferente da arte sequencial dos quadrinhos. Nas HQ´s a criatividade e a imaginação é o que impera, neste tipo de arte não existe censuras e nem limites. Os tabus e as fraquezas da sociedade são retratados de forma singular e metafórica, se tornando em poderosas formas de críticas sociais e políticas.

Durante muitos anos os quadrinhos eram considerados uma arte maldita pela a conservadora sociedade, era um território amplo que não haviam cercas e várias leis tiveram de ser implementadas para barrar a produção em massa de quadrinhos e a criatividade dos roteiristas e desenhistas, nos EUA por exemplo, por muito tempo os quadrinhos passaram por uma rígida peneira pelas organizações de censura do governo. A nona arte também era difamada pela a grande mídia, que a culpava de causar todas as formas e tipos de degenerações sociais, desde roubos à assassinatos seriais, e elas também veiculavam que os quadrinhos causavam vários tipos de problemas e distúrbios psicológicos.

Hoje em dia a nona arte tem mais liberdade e este tipo de censura e pensamento moral e social não existe mais, pelo menos nos países onde não há a mão inquisidora da ditadura onde o povo não tem diretos perante o governo, na China por exemplo, os quadrinhos ainda são mal vistos pelo a política e milhares deles ainda são proibidos de serem comercializados.

O grande problema dos filmes baseados em quadrinhos é que na maioria das vezes os estúdios preferem não entrar na polêmica que eles geram, tocando em assuntos considerados tabus, que podem fazer com que muitas pessoas que nunca leram os quadrinhos não vá ao cinema, temendo assim que o filme vá mal nas bilheterias. Mas, há quem respeite a aura da nona arte e transportam os quadrinhos para o cinema de forma digna respeitando os personagens e o seus ricos universos. Segue-se a segunda parte da lista:


01- O Homem Aranha (Direção: Sam Raimi, 2002)


A primeira aparição do Homem Aranha foi na revista ''Amazing Fantasy 15'' em 1962, escrita por Stan Lee e desenhada por Jack Kirby. O filme de 2002 é uma adaptação moderna desta primeira aparição que concebeu o cânone cultural de um dos personagens mais populares e idolatrados da Marvel Comics. Este foi o primeiro filme de super heróis da Marvel a ter um orçamento milionário e que rendeu milhões em bilheterias e mais duas continuações igualmente lucrativas, criando uma nova geração de admiradores. Nas mãos do genial Sam Raimi o filme possui uma linguagem visual incrível e singular que representa de forma impressionante o universo do Homem Aranha, com cores vibrantes misturadas ao caos urbano de Nova York


02- Capitão América: Soldado Invernal (Direção: Anthony Russo, Joe Russo, 2014)


O filme é uma adaptação da graphic novel homônima escrita pelo mestre Ed Brubaker. Neste filme a complexidade da personagem mais emblemático do universo Marvel é explorado de forma um pouco mais abrangente, dando enfase de forma menos hermética e muito mais hollywoodiana em suas frustrações e maldições permeadas pelas lembranças de amigos perdidos pelo o horror da segunda guerra mundial, e também no seu relacionamento nada convencional com a organização governamental S.H.I.E.L.D. Com este filme, o Capitão América toma a liderança iconoclasta da Marvel no cinema nesta segunda fase pós-Vingadores, desbancando a hegemonia do Homem de Ferrojá que os direitos cinematográficos do Homem Aranha pertence a Sony e que cá entre nós, ultimamente não vem fazendo um bom trabalho com a personagem nestes novos reboots.


03- Nausicaä do Vale do Vento (Direção: Hayao Miyazaki, 1984)



O filme é baseado no primeiro quarto do épico mangá escrito e desenhado por Hayao Miyazaki. O mangá é uma obra bastante importante na cultura pop japonesa, ele conta a estória das aventuras de Nausicaä num mundo pós apocalíptico dominado por animais hostis que são quase deuses e que é inabitável em algumas regiões, devido a destruição do mundo natural cometida pelo o homem. A animação faz uma metáfora do relacionamento destrutivo do homem com a natureza e as consequências que isto acarreta para toda vida que há na Terra. Este é considerado o primeiro filme oficial de Hayao Miyazaki - Walt Disney japonês - no estúdio de animação Ghibli. 


04- Azul é a Cor Mais Quente (Direção: Abdellatif Kechiche, 2013)



O filme é uma adaptação da graphic novel homônima escrito pela francesa Julie Maroh. O filme assim como a HQ, transborda sensualidade numa estória de descobertas e autoconhecimento na vida de duas jovens homossexuais. Uma obra simples e muito bem estruturada que consegue criar uma empatia existencialista imediata com todos aqueles que a apreciam desnudos de qualquer tipo de preconceitos. A fluidez da narrativa consegue de forma magistral transcender a ficção, e o romance entre as duas jovens, é uma das mais belas e verossímeis estórias de amor mostradas no cinema em décadas.  


05- Watchmen (Direção: Zack Snyder, 2009)


O filme é uma adaptação da famigerada e idolatrada graphic novel escrita pelo o mago das histórias em quadrinhos Alan Moore. Visualmente o filme é bastante parecido com as HQ´s, com todas nuances e cores da estrutura narrativa visual dos quadrinhos criadas pelo artista  Dave Gibbons. Algumas caracterizações das personagens se manteve fiel a HQ mas outras nem tanto, deixando muito a desejar no quesito figurino e personalidade. A estória em certos momentos também, para quem realmente leu a graphic novel e não apenas deu uma espiadinha, consegue perceber os vários furos e mudanças no roteiro do filme, e a mais radical foi a concepção de um novo final que mesmo tentando manter o cânone original do destino e das motivações das personagens nos quadrinhos, foi completamente mudado.  Mesmo com todos estes problemas citados, este é um filme incrível com um visual extraordinário e uma trilha sonora impecável.


06- Ghost in The Shell (Direção: Mamoru Oshii, 1995)


Dificilmente ao citar a cultura cyberpunk no cinema o nome Ghost in the Shell, junto com Akira, não é mencionado. A estrutura narrativa e visual são incríveis mostrando um universo distópico oprimido pela a desenfreada tecnologia humana, onde os malefícios tecnológicos nunca serão supridos por seus benefícios quando esta se torna algo além da compreensão e controle de seus criadores. A animação é baseada no mangá homônimo criado por Masamune Shirow que foi dirigida pelo mestre do surrealismo japonês Mamoru Oshii.


07- O Homem de Ferro (Direção: Jon Favreau, 2009)



Assim como Sam Raimi fez com O Homem Aranha, o diretor Jon Favreau idealizou para O Homem de Ferro. O filme é uma adaptação moderna da sua primeira aparição na revista ''Tales of Suspense 39'' em 1963, também escrita por Stan Lee e desenhada por Jack Kirby. O filme relata a criação da armadura indestrutível pelo o gênio Tony Stark e a primeira aventura da personagem mais controverso, genioso e irônico do universo Marvel. Claro que, a personagem foi levado para o cinema ''amaciado'' pelos os produtores que não quiseram se arriscar e pelo o carisma e simpatia de Robert Downey Junior. Este é o filme mais divertido entre todos da Marvel, a direção não excede o roteiro e a trilha sonora permeada pelos clássicos do AC/DC e Black Sabbath aumentam a adrenalina, enfim, um filme incrível para se ver comendo muita pipoca.



08- Estrada Para a Perdição (Direção: Sam Mendes, 2002)


O filme é inspirado na graphic novel homônima escrita por Max Allan Collins com direção artística de Richard Piers Rayner. O filme dirigido por Sam Mendes é uma bela estória sobre redenção, crime e paternalismo que retrata muito bem uma época onde os EUA vivia uma total falta de esperança devido a grande depressão de 1929 e como consequência, uma grave falência nas estruturas familiares. Os personagens são quase os mesmos da HQ e alguns outros foram criados para o filme, como o sádico assassino da máfia vivido pelo ator Jude Law.


09- Marcas da Violência (Direção: David Cronenberg, 2005)


O drama é inspirado na graphic novel  homônima criada por John Wagner e Vince Locke. O filme é uma anedota sobre a vida de um pacato cidadão que vê sua vida transformar quando os seus mais obscuros segredos insistem em vir a tona. O genial cineasta David Cronenberg constrói um drama poderoso, onde  se afeiçoamos à personagem principal que é um bom e honesto pai de família, que faz de tudo para proteger seus entes queridos. O filme possui um clima de tensão que leva a um desfecho que termina num selvagem, surpreendente e violento clímax.


10- Glen Pés Descalços (Direção: Mori Masaki, 1983)


O filme dirigido por Mori Masaki é uma adaptação do mangá homônimo criado por Keiji Nakazawa que conta a estória real vivida por ele antes, durante e depois dos lançamentos das bombas nucleares no Japão ao fim da segunda guerra mundial. O filme possui uma abordagem bastante crível que nos mostra pela a perspectiva pueril de uma criança, o que foi o horror vivido pelos japoneses naqueles dias fatídicos. O anime é uma espantosa obra-prima que choca pela veracidade dos acontecimentos mas ao mesmo tempo nos dá esperanças, não pelo o contexto apelativo da força de uma nação perante uma adversidade mas pelo o sentido de sermos parte de um lugar, criando raízes profundas e mesmo com toda maldade a espreita, isto é a única coisa que podemos resguardar.  




Share on Google Plus

About leandro godoy

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.
    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário